Acessibilidade em bares e restaurantes contribui para a cidadania e geração de lucros

1113

O Brasil possui 45,6 milhões de pessoas com deficiência, de acordo com o Censo 2010. Todos demandam serviços que muitas vezes não tem oferta por conta da acessibilidade. “Isso representa uma fissura no mercado que pode ser desenvolvido por quaisquer empreendedores”, afirma a executiva da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Vera Peixoto.

A maioria desse público (9,7%) vive no Sudeste, onde está a cidade olímpica. São aproximadamente 4 milhões. O Rio de Janeiro deve receber nos próximos meses, por conta dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, 500 mil turistas. “Além de ser uma questão de cidadania, a acessibilidade nos negócios brasileiros é um mercado lucrativo”, disse Vera.

Nordeste aparece em segundo lugar, com 7,4%, e o Sul em terceiro, com 3,2%. Norte tem 1,9% e Centro Oeste, 1,7%.

Gráfico de pessoas com deficiência por região Censo 2010
Gráfico de pessoas com deficiência por região, de acordo com o último Censo

Para promover a acessibilidade nos estabelecimentos do setor de alimentação fora do lar, a Abrasel no Rio de Janeiro, em parceria com a Emprol RH, desenvolveu o projeto “Restaurante Inclusivo”. O programa propõe treinamento para profissionais de bares e restaurantes, como maitres, gerentes, garçons, recepcionistas e manobristas, a fim de oferecerem atendimento assistido, “sem constrangimentos ou insatisfações”.

“Esperamos sinalizar com o projeto a existência de um grande público com potencial de consumo, ainda não inserido em nossos bares e restaurantes, contribuindo também com o Turismo Acessível em nosso estado”, destacou Vera.

Vera Peixoto (ao centro)
A executiva da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, Vera Peixoto (ao centro), recebeu um diploma da ACRio em agradecimento pela apresentação do projeto “Restaurante Inclusivo”

O projeto tem a orientação da mestre em Educação Especial, graduada em Psicologia e Direito e professora da Uniabeu Centro Universitário, Christina Brazil, e do psicólogo pela UFRJ, consultor nas áreas de inclusão, acessibilidade e palestrante, Roberto dos Santos.

Toda a dinâmica é realizada dentro do próprio estabelecimento. A conclusão da capacitação confere ao bar ou restaurante o selo “Profissionais Treinados”, da Abrasel. O profissional recebe um “Certificado de Participação”.

Restaurante InclusivoEmpresários interessados em capacitarem seus profissionais através do “Restaurante Inclusivo” podem entrar em contato com o núcleo Rio de Janeiro da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes ou com a Emprol RH, respectivamente, através dos telefones (21) 2220-4108 ou (21) 3135-8423. Os endereços eletrônicos abraselrj@abrasel.com.br ou comercial@emprolrh.com.br também estão disponíveis para esclarecimentos.

A executiva de Relacionamentos e Projetos da Abrasel, Vera Peixoto, participou, nesta segunda-feira (20/6), de reunião do Conselho Empresarial (CE) de Turismo Pró-Rio da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRio).

Sávio e Márca Alonso
O presidente do CE de Turismo Pró-Rio, Sávio Neves, empossou a vice-diretora da Facha, Márcia Alonso, como vice-presidente do comitê

Na ocasião, a vice-diretora da Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha) e presidente da Organização Hélio Alonso de Educação e Cultura, Márcia Regina Alonso Pfisterer, foi intitulada vice-presidente do CE de Turismo Pró-Rio. Ela ressaltou a importância da acessibilidade também na arquitetura dos estabelecimentos.

“O desenho universal, que atenda a todos, é tendência”.

Márcia é filha do professor Hélio Alonso, responsável pela criação da Facha, em 1971, no Rio de Janeiro. Em dezembro deste ano a instituição de ensino completa 45 anos. De acordo com Márcia, sua maior missão é “dar continuidade à obra do pai, que criou uma instituição sólida e respeitada no setor educacional”.

Inicialmente, a Facha mantinha três opções de habilitação: Jornalismo, Publicidade/Propaganda e Relações Públicas. Anos depois, incluíram mais cinco cursos: Turismo, em agosto de 1975, Tecnologia em Processamento de Dados e Radialismo, em outubro de 1989, Comunicação Social, em julho de 1999, e Direito, em abril de 2007.

Ex-diretor da ACRio, Hélio Alonso era vice-presidente do CE de Turismo Pró-Rio desde 2008. Ele morreu aos 86 anos, em março de 2015, vítima de uma parada respiratória. O professor lutava contra a mielodisplasia, uma doença que afeta a medula óssea.

Prêmio Visconde de Mauá - Educação 2011
Em dezembro de 2011, Hélio Alonso (à direita), entregou o Prêmio Visconde de Mauá – Educação para o acadêmico Arnaldo Niskier (ao centro), junto ao grande benemérito da ACRio, Francisco Horta (à esquerda)

“É uma grande honra para o quadro de integrantes do Conselho, todos fãs do professor Hélio Alonso, termos sua filha, tão dedicada aos ideias do pai, como vice-presidente desse comitê”, comemorou o presidente do CE, Sávio Neves.