Grupo de empresários cuidará de políticas de turismo no município

353

Ricardo Amaral, autor da ideia, Roberto Medina, Boni e Paulo Protasio formarão conselho que ajudará Crivella

As políticas da área de turismo da cidade serão, na gestão do prefeito eleito Marcelo Crivella, norteadas por um conselho formado pelos empresários Ricardo Amaral, Boni, Roberto Medina e Paulo Protasio, que preside a Associação Comercial do Rio. Como adiantou o colunista do GLOBO Lauro Jardim, a Secretaria municipal de Turismo será extinta. Amaral chegou a ser convidado a assumir a pasta, mas não aceitou. Por outro lado, o empresário sugeriu a Crivella a criação do conselho, cujos integrantes não terão status de secretários nem serão remunerados.

Amaral disse que o grupo terá mais um integrante, ainda não definido. Ele contou que vem trocando ideias com Crivella sobre o turismo no Rio há cerca de seis meses, quando se conheceram:

— Tivemos algumas conversas e, recentemente, ele me convidou oficialmente para a secretaria. Andei estudando o panorama do turismo e percebi que o órgão só existe no papel. São apenas seis funcionários, não existe um orçamento. Ela não tem razão de existir. Há outros instrumentos na cidade com influência muito forte nessa área, como a Riotur, a Rio Eventos e a Rio Negócios, além de secretarias como as de Cultura e Esportes.

O empresário entregou ao prefeito eleito um projeto para a criação do chamado Conselho Superior de Turismo do Rio, anunciado por Crivella durante um encontro com assessores, sábado, num restaurante da Barra.

— O conselho reunirá algumas pessoas com carioquismo evidente e atuação histórica na cidade — ressalta Amaral, acrescentando que o foco do grupo é a elaboração de uma agenda de eventos para a cidade. — A base do nosso programa será o calendário. Não podemos ficar só com réveillon, carnaval e Rock in Rio. Estamos colocando em pauta programas de todos os tamanhos. Queremos, por exemplo, sediar campeonatos de golfe, brasileiros e sul-americanos. O Rio também pode ser candidato à Expo Mundial de 2022.

De acordo com o empresário, a cidade vive uma grande crise — que chama de “ressaca pós-olímpica” — e precisa investir em suas “armas de sedução” para atrair congressos e outros eventos, aproveitando a infraestrutura desenvolvida para os Jogos.

Sem a Secretaria municipal de Turismo, o setor ficará sob a responsabilidade da Riotur, que será presidida pelo produtor de eventos Marcelo Alves. Ele confirmou ontem que assumirá o cargo.

Alves já esteve à frente do Grupo Adma Eventos e é diretor de uma empresa que, atuando com marketing promocional, ajudou a trazer os eventos “Djokovic no Rio” e “Disney Magic Run”. Ao contrário do que era esperado, Crivella não anunciou ontem todo o seu secretariado.

Fonte: Jornal O Globo

COMPARTILHE