Projeto Casa Rio e Jogos Rio 2016 geram oportunidades de negócios para empresas brasileiras e internacionais

1471

Por Alex Melo

A Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRio) integra um dos mais extensos programas de negócios já realizados no Brasil. Com as oportunidades abertas por conta dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, a ACRio vai se tornar, até setembro desse ano, a Casa Rio Business Center, braço da Casa Rio – Embaixada Brasileira de Negócios. (Clique aqui e confira informações completas sobre o projeto, em inglês)

A Casa Rio Business Center vai intermediar encontros entres delegações internacionais e empresas locais para fomentar parcerias e a realização de negócios
A Casa Rio – Business Center vai intermediar encontros entres delegações internacionais e empresas locais para fomentar parcerias e a realização de negócios

O Centro vai intermediar encontros entres delegações internacionais e empresas locais para fomentar parcerias e a realização de negócios. Na prática, empresários estrangeiros que não tem operação no Rio de Janeiro e, por isso, se deparam com as barreiras da língua, burocráticas e fiscais, terão acompanhamento técnico e especializado para vencer essas etapas.

A expectativa da agência oficial de atração de investimentos da cidade, a Rio Negócios, é que a Casa Rio Business Center seja responsável pela entrada, e permanência após os Jogos, de 500 empresas estrangeiras no país, em especial no Rio de Janeiro. No total, a Casa Rio – Embaixada Brasileira de Negócios – deve atrair e consolidar 800 companhias internacionais.

Projeto Casa Rio

“Nossa ideia com a Casa Rio Business Center é fazer um forte programa de matchmaking. Não queremos apenas mostrar nosso conhecimento técnico sobre Rio de Janeiro e abertura de empresas, mas identificar maneiras, formas e soluções que incentivem e possibilitem a permanência dessas empresas em nossa cidade após os Jogos”, destacou o presidente da Rio Negócios, Marcello Haddad, nesta quinta-feira (3/3), na ACRio, durante apresentação de todo o projeto para jornalistas e instituições parceiras.

Situada no coração econômico e financeiro da cidade, no prédio da Associação Comercial do Rio de Janeiro, a Casa Rio Business Center vai reunir, até o final dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, em setembro, duas mil pessoas, durante 32 reuniões de negócios. Desse público total, 1,4 mil são líderes empresarias, com poder de decisão, da Europa, Américas, Ásia e Oceania, Oriente Médio e África.

Números Casa Rio - Business Center

Além das apresentações sobre ambiente de negócios, oportunidades de investimento e serviço de soft landing, destinado a empresas interessadas em experimentar a cidade durante seus primeiros meses de operação, estão previstas uma série de conferências com investidores, autoridades, agências reguladoras, empreendedores e acadêmicos na Casa Rio Conferences, que será instalada no Museu do Amanhã (Porto Maravilha), na Casa Brasil (Fábrica de Espetáculos, também no Porto, que após os Jogos servirá ao Theatro Municipal do Rio de Janeiro) e na Fundação Getúlio Vargas (Botafogo).

Casa Rio - Conferences

Com temas ligados à energia, hospitalidade, ciências da vida, infraestrutura, tecnologias, seguros e resseguros e indústria criativa, juntos, esses espaços vão abrigar onze grandes conferências que devem reunir três mil pessoas, sendo 1,3 líderes de negócios. A expectativa é que o Casa Rio Conferences atraia e consolide 300 empresas estrangeiras no país.

“O programa Casa Rio, nas suas duas vertentes, Conferences e Business Center, será referência de networking no país. Vamos apresentar o novo ambiente e as novas oportunidades de negócio no Rio de Janeiro para 2.800 tomadores de decisão de 800 empresas e, com isso, atrair até 40 projetos para o Brasil nos próximos dois anos”, declarou Haddad.

"O programa Casa Rio, nas suas duas vertentes, Conferences e Business Center, será referência de networking no país", afirmou o presidente da Rio Negócios, Marcello Haddad
“O programa Casa Rio, nas suas duas vertentes, Conferences e Business Center, será referência de
networking no país”, afirmou o presidente da Rio Negócios, Marcello Haddad

World Chambers Congress

Todos os empresários estrangeiros que visitarem a Casa Rio – Business Center durante os Jogos Rio 2016, e sócios das 12 mil Câmaras de Comércio mundiais ligadas à World Chambers Federation (WCF), serão automaticamente considerados associados da Associação Comercial do Rio de Janeiro. A medida, de acordo com o presidente da instituição, Paulo Protasio, extingue burocracias, acelera a realização de negócios e contribui para a realização, no Rio de Janeiro, em 2019, do maior evento de câmaras de comércio do mundo, o 11º World Chambers Congress (WCC).

Promovido pela International Chamber of Commerce (ICC), o Congresso vai reunir cerca de três mil lideranças empresariais e políticas de mais de 100 países para debates e oportunidades de negócios. O anúncio da cidade sede só será divulgado em dezembro de 2016. Além do Rio, disputam também Orlando, nos Estados Unidos, Buenos Aires, na Argentina, e Bogotá, na Colômbia.

Em fevereiro de 2015, Paulo Protasio (esq.) já se reunia com lideranças mundiais para traçar estratégias que tragam o 11º WCC para o Rio de Janeiro. Na foto, conversa com o presidente da WCF, Peter Mihok; com o diretor da WCF, Anthony Mark Parkes, e com o então diretor financeiro e hoje presidente da Confederação das Associações Comerciais do Brasil, George Teixeira Pinheiro
Em fevereiro de 2015, Paulo Protasio (esq.) já se reunia com lideranças mundiais para traçar estratégias que tragam o 11º WCC para o Rio de Janeiro. Na foto, conversa com o presidente da WCF, Peter Mihok; com o diretor da WCF, Anthony Mark Parkes, e com o então diretor financeiro e hoje presidente da Confederação das Associações Comerciais do Brasil, George Teixeira Pinheiro

“O Rio tem grandes chances de levar a disputa. Se a vitória carioca se confirmar, será a primeira vez que uma cidade da América do Sul abrigará o congresso mundial de câmaras de comércio. Esse será mais um feito histórico de nossa cidade. Digo que será, pois, o Rio tem um know how em realização de grandes eventos e uma infraestrutura eficiente para realizá-los. O Rio tem vocação para os negócios”, assegurou Paulo Protasio.

Em fevereiro desse ano, o Rio de Janeiro deu um grande passo no objetivo de sediar o 11º WCC.