Governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, defende Pacto Federativo e privatizações para o futuro do país

917

De acordo com o peemedebista, a carga tributária no Brasil é alta e injusta. “Paga mais quem menos ganha e menos tem”, disse nesta sexta-feira (15/7), durante encontro com empresários no Rio de Janeiro. Segundo Hartung, a carga tributária brasileira era de 25% do PIB nacional, há dez anos. Hoje, chega a 35%. “O caminho não é aumentar impostos, mas diminuir as despesas do estado”, assegurou.

Hartung aposta na reorganização das despesas estaduais e na participação do capital privado em algumas áreas do serviço público para “colocar ao país nos trilhos do crescimento econômico”. Dentre os cases de sucesso do Espírito Santo nesses temas, o peemedebista destaca a quase universalização do saneamento básico, através de uma Parceria Público-Privada, no munícipio mais populoso do estado.

“Nós fomos para o maior município em termos de população, Serra, e lançamos uma PPP. Em pouco mais de um ano, estamos quase universalizando a coleta e o tratamento do esgoto. Da mesma forma, vamos lançar um outro edital de PPP de saneamento nos próximos 60 dias para o município de Vila Velha”, destacou o executivo, durante Almoço do Empresário realizado pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRio).

Regiões Metropolitanas

O governador do Espírito Santo observou ainda que o país possui 60 Regiões Metropolitanas, responsáveis por 48% da população brasileira. Para ele, essas metrópoles precisam de projetos integrados em ciência e tecnologia, favelas, urbanismo, coleta e tratamento de esgoto e tantos outros serviços.

“Temos que construir um marco próprio para as Regiões Metropolitanas, com governança e orçamento, para fazermos avançar ações como as propostas pelo Pacto do Rio e Cariocas em Ação”, afirmou Hartung, referindo-se ao projeto de criação do Centro de Resiliência Metropolitano do Rio de Janeiro.

Eduarda La Rocque
De acordo com Eduarda La Rocque, o Rio de Janeiro vai ganhar, em julho do ano que vem, o Centro de Resiliência da Região Metropolitana, para canalizar demandas da sociedade

Hartung já foi prefeito de Vitória. No executivo municipal, criou o Fundo Metropolitano e contratou projetos integrados de saneamento e de transporte coletivo para a Região Metropolitana da Grande Vitória.

“É de baixo para cima que devemos atuar. Esses projetos devem deixar de ser mais um papel guardado dentro de uma gaveta”.

Para Hartung, o Brasil está “na beira do barranco” e passa por uma crise financeira parecida com a vivida recentemente pela Grécia. Ele defende um debate claro e honesto com a sociedade. “Lideranças todos somos. O que nos diferencia é quem vai exercer a responsabilidade de liderar e quem vai esperar as coisas acontecerem por autocombustão”.

Hartung e o presidente da Vale, Murilo
O presidente da Vale, Murilo Ferreira (d.), foi uma das várias lideranças que prestigiaram a visita do governado do Espírito Santo Paulo Hartung (e.) à ACRio

Em seu terceiro mandato como governador do Espírito Santo, Hartung acredita que as lideranças políticas e empresariais precisam assumir a responsabilidade de conduzir os rumos da economia.

“Devemos percorrer uma agenda de reformas estruturantes que coloque o país nos trilhos do progresso, sem voo de galinha. Crescimento voo de águia, sustentável, com base. Para isso, temos que reorganizar as contas públicas estaduais. Ou vamos flertar com coisa muito pior”.

Grande entusiasta de Regiões Metropolitanas integradas, o presidente da ACRio, Paulo Protasio, avalia que, hoje, o sistema de trocas, tanto econômicas, como de conhecimento, de cultura e tecnologias, se faz entre as áreas metropolitanas.

“A influência de nossas áreas urbanas mudou e exige um encontro orientado para um trajeto de local na direção do global”.

Paulo Protasio
“Somos 2,3 mil Associações Comerciais em todo o país e vamos chamar a liderança para a retomada do desenvolvimento econômico nacional”, afirma o presidente da ACRio, Paulo Protasio

Para Protasio, “o Brasil é uma música sem maestro”. Ele destaca que nenhum país do mundo vive uma experiência parecida. São 39 partidos políticos, um processo de impeachment presidencial, a mais profunda investigação para desvendar a corrupção existente entre altos representantes políticos, administrativos e empresariais. Tudo isso às vésperas da eleição de governo em 5.570 municípios e diante dos olhos do mundo, voltados ao Brasil por conta da Olimpíada.

“O Rio é a capital dessa música à procura de uma direção. Sua maior oportunidade chegou agora. Vale por muitas gerações. E vai ser por conta disso lembrada. O que atrapalha é que ainda não resolvemos as relações do Rio com Brasília por conta da política. O Rio não é um lugar comum. Ele tem um DNA de capital”, ponderou Protasio.

Julio Bueno.jpg
O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico do Rio, Júlio Bueno, participou do evento e afirmou que a abertura de capital para investimentos privados em óleo e gás no estado pode contribuir para a saída da crise financeira

O dirigente celebrou ainda o aniversário das Associações Comerciais do Rio de Janeiro e da Bahia, comemorados nesta sexta-feira (15/07). As instituições são duas das mais antigas entidades de representação civil do país e se uniram para resgatar e promover a integração e o protagonismo de todas as 2300 associações comerciais brasileiras.

O marco inicial dessa união foi assinado dia 11 de junho, em Salvador, durante o II Fórum Internacional de Gestão de Baías, quando as instituições decidiram abraçar as duas baías: de Todos os Santos e da Guanabara.

Almoço do Empresário Hartung
O Almoço do Empresário com o governador Paulo Hartung reuniu diversas lideranças políticas e empresariais e marcou o aniversário de 207 anos da ACRio

“A Associação Comercial da Bahia, assim como nós, é bicentenária. O mais importante nesse marco é que resolvemos adotar as duas baías. Hoje elas estão sobre a guarda e o interesse das nossas entidades”, categorizou.

O III Fórum Internacional sobre Gestão de Baías será realizado no Rio, em maio de 2017, em parceria com o World Watch Institute (WWI), um dos mais renomados institutos de pesquisa do mundo, sediado em Washington, DC.